segunda-feira, 26 de agosto de 2013

INCÊNDIOS EM PORTUGAL II

Para todos aqueles que desconhecem a verdade, a prova está nas fotos abaixo onde o sistema MAFFS e C-130 estão lado a lado... Nos anos 80 e 90 a Força Aérea Portuguesa combatia os incêndios com o C-130 Hercules, o sistema MAFFS e o Helicóptero AL III.
 
A FAP foi forçada pelos governos corruptos a desistir de apoiar as populações... em detrimento de privados e outros interesses obscuros...
(Alguém se deu a muito trabalho para fazer desaparecer estas fotos, felizmente a internet não tem memória curta)
 






 

15 comentários:

Fumanchu disse...

Camarada e Amigo Brandão Ferreira

Como bem dizes a internet não tem memória curta. A internet e nós que precisamente pelos anos 80 e 90 serviamos a nossa FAP. Normalmente és tu a escrever e a lembrar muitas coisas. Desta vez conseguimos recuperar as fotos. A união faz definitivamente a força! Um abraço. Tcor António Mota

Fumanchu disse...

Camarada e Amigo Brandão Ferreira

Como bem dizes a internet não tem memória curta. A internet e nós que precisamente pelos anos 80 e 90 serviamos a nossa FAP. Normalmente és tu a escrever e a lembrar muitas coisas. Desta vez conseguimos recuperar as fotos. A união faz definitivamente a força! Um abraço. Tcor António Mota

Paulo Surrador disse...

Meu caro camarada Tcor, a razão mais uma vez está do seu e do lado daqueles que vêem para além daquilo que é vinculado na nossa comunicação social falada e escrita. Em 1993 no BA2, estava lá colocado em curso e houve um incêndio de alguma gravidade dentro da unidade com origem no clube de oficiais. O combate ao incêndio foi feito pelo pessoal da base, pelos bombeiros de alenquer (os que restavam no quartel) e finalmente só se conseguiu dominar depois da chegada em força do C-130 que lançõu sobre nós a "calda retardante". Ora é isto mesmo que faz falta nos nossos incêndios.
Deixem os Kamovs, e outros e usem a FAP para concretizar uma das suas missões secundárias.
Deixem quem sabe combater como deve ser este flagelo que todos os anos "limpa" mais uns quantos milhares de hectares de terreno.
Para terminar, deixo esta reflexão para que o meu caro camarada Tcor a possa divulgar pelos meios julgados convenientes: Hà conhecimento de algum cidadão dito "ilustre" ter sido directamente afectado com o flagelo incendiário? E quais ou quantos terrenos pertencentes a esses mesmo cidadãos "ilustres" foi negociado depois de ter sido queimado?
Um bem haja para si meu caro camarada.

Emanuel Alves disse...

Estimados Senhores,
De acordo com tudo o que se tem escrito sobre os C's no combate aos incêndios, ouso só este comentário junto de quem percebe muito mais do assunto do que eu, mas será que ainda teríamos algum C-130 ao serviço se desde a década de 90 estes estivessem a combater incêndios? Não me parece. Embora com sistemas de combate a incêndio diferentes, mas por acaso não terão visto um C-130 americano a bater palmas (asas) numa descarga sobre um incêndio. Canadair's sim, mas os interesses deverão ser muito grandes e possívelmente vão sempre dar ao mesmo sítio, a grande finança. Bem Hajam.

NGProd disse...

Tudo o que disseram até agora é verdade, mas em Portugal, no país que jurámos defender instalou-se uma economia paralela, a economia do tacho, do compadrio e da ausencia total de valores morais dos nossos governantes. Se por um simples acaso a calda retardante fosse vendida por um dos meninos bonitos de um partido politico, ou permitisse a alguem embolsar mais uns milhoes em contratos por ajuste directo, então ai nunca faltaria a calda retardante nem a presença dos C-130 no combate aos incendios, que ainda hoje roubaram a vida a mais uma rapariga de 21 anos. Tenho muita pena de ver a nossa mãe a ser constantemente enchovalhada nas mãos da corrupção e da falta de principios destes nossos governantes e tenho ainda mais pena de já nao haver capitaes nas nossas forças armadas com eles no sitio para defenderem o povo e a pátrica que dia após dia continuam a ser roubados, enganados, atacados ora porque gastam muito, ora porque gastam menos que o previsto, a nossa querida e amada pátria que é constantemente ridicularizada aos olhos de toda a UE como o pais do bacalhau e dos coitadinhos, quando temos um dos maiores e mais ricos países da europa.

Eu tenho 24 anos, jurei defender a minha pátria, e até para mim que felizmente ainda tenho trabalho já chega, estou farto de aturar tantas brincadeiras e experiencias que so nos levam mais para o fundo.

Grato desde ja por "ouvirem" o desabafo de um jovem actualmente Civil e Indignado.

Manuel Andrade disse...

Concordo com as ideias expostas neste post. Gostaria no entanto de trazer aqui um comentário feito por um alto responsável dos bombeiros ontem na rtp informação. Dizia ele que apesar de a Força Aérea ter meios de combate a incêndios, os operacionais da FAP não têm formação para este tipo de missões. O que pensa disto?
Cumprimentos

Anónimo disse...

Quem não se lembra de há cerca de 10 anos ter ardido metade do concelho de cascais (guincho, areia, malveira da serra, manique, traseiras da quinta patino, e por aí fora)!
e qual não foi o meu espanto, que ao fim de três, quatro anos, estava tudo construído com condomínios de luxo para ricos!
na coreia do norte, um gajo é preso hoje e daqui a três dias é fuzilado!
condições de exceção pedem medidas de exceção!

Carlos Luís
Tcor/GNR/Res

Rui Paulo disse...

Bem dito Emanuel Alves.

Pedro Silva disse...

O Santana em 2005 tinha encomendado 6 canadair CL-415 financiados pelo BEI em mais de 50%, estava tudo encaminhado.

Depois deu-se aquele celebre golpe de estado levado a cabo pelo inenarrável Sampaio.

Inexplicavelmente (ou não) o negócio foi rasgado pelo Sócrates e o pais continua a arder.

Como todos sabemos das empresas de meios aéreos jorram milhões para campanha eleitorais. Esta tudo dito.

Só lá vamos com meia dúzia destes aviões canadair entregues á FAP, juntamente com os Kamov a ser operados pela FAP.

E não venham dizer que isso não é solução, o que é certo é que os países que detêm estes meios não ardem, e Portugal é a desgraça que se vê todos os anos.

Todos os anos é a mesma história desde 2003, sempre a pedir alugado lá fora e pagos a peso de euro á espanha, que até tem as bases colocadas junto a fronteira Portuguesa, em Matacan e Talavera la real, não deve ser por acaso, por os castelhanos a ganhar dinheiro com o combate a fogos não me parece boa ideia.

Para além dos castelhanos, é a pedinchice que se vê, França, Itália, e este ano até a Croácia, um pais quase do terceiro mundo.

Até os marroquinos e turcos tem canadair's, só Portugal não tem e arde que se farta.

Jorge Mendes disse...

A industria do Fogo e seus derivados negócios imobiliários e fretmento dos meios aéreos de combata aos incendios, é ,certmente ,muito lucrativa , para quem dispõe do Knom-how e da falta de escrupulos cracteristica destes abutres, que merecem morrer lá bem no meio dos fogos que encomendam!!São uns pulhas e já muito conhecidos, para serem julgados neste simpático Pais de ultra brandos costumea.JFM

Paulo Rocha disse...

E bem verdade camarada também lá estava nesse dia,e esse c-130 saiu da Figueira da Foz onde apagava o incêndio da Serra da Boa Viagem

Pedro Antunes disse...

Sou ppa, voei muitas horas na 'operação floresta', um dia, à muitos anos atrás, este avião comunicou para todas as aeronaves na área se afastarem, com uma descarga apagou o incêndio.Funcionava de "puta madre".Que volte...

José António Ribeiro disse...

Meus senhores esqueçam lá o c 130 em missões de apagar fogos florestais. Se a
ainda existe o equipamento é porque ninguem o quer mesmo dado. Este avião não tem caracteristicas tecnicas para operar esse tipo de missão,em terrenos montanhosos ,que são a grande maioria em Portugal. Fiz parte,à cerca de 30 anos,das tripulações dos helis que faziam o encaminhamento do c 130, e vi ,o fiasco que foi .

MKorny disse...

José António Ribeiro

No entanto... os C-130 são utilizados em meio mundo para combate a incêndios florestais maioritariamente na america do sul, e nos próprios EUA, bem como na Austrália...

Cesar Gameiro disse...

Não há interesse em usar os C130! Por algum ou alguns motivos, deve de ser.Mas que foram eficazes no combate aos incêndios, foram!!! Agora não tentem mandar areia para os olhos dos Portugueses e sejam correctos