terça-feira, 3 de maio de 2016

CENSURAS…

2/5/2016

O Primeiro – Ministro húngaro, Viktor Orbán esteve em Portugal, onde no dia 15 de Abril, participou na Conferência da Internacional Cristã Democrata. Que se saiba apenas o Jornal “Expresso” noticiou o evento.
 
Entretanto quase todos os órgãos de comunicação social (OCS) verteram horas de imagens, som e resmas de escrita, sobre a multitude de jogos de futebol entretanto ocorridos.
 
As eleições presidenciais na Áustria deram, na 1ª volta, o apuramento para o despique final, um candidato tido de extrema – direita, juntamente com outro de extrema – esquerda (camuflado com o rótulo de ecologista), com a “originalidade” da derrota clamorosa de todos os candidatos do “centrão”.
 
Pois o país ficou a ignorar, praticamente tais resultados e o que se passou…
 
Ao mesmo tempo, porém, noticias, reportagens e comentários sobre a morte de estrelas do rock, normalmente ligadas a escândalos sexuais, droga, taras e vícios sociais vários (ou será que já não há vícios?), lograram amplo eco nas pantalhas, restante espectro eletromagnético e em caracteres alfabéticos, impressos numa substância que teve a sua origem nos papiros egípcios.
 
Obama – o “entertainer” - veio à Europa interferir abusivamente no referendo inglês sobre a permanência da Grã - Bretanha na União Europeia; vai à Alemanha tentar condicionar a Chanceler Merkel (que, por acaso, se chama “Kasner”) sobre as opções a tomar por aquele país – que depois de vencido na II GM, até hoje não teve um tratado de paz – relativamente às suas opções na NATO, versus Rússia, ao mesmo tempo que tenta pressionar aquele grupo de políticos burocratas, não eleitos e principescamente pagos, sitos nas diferentes agências da desunião europeia, sem norte, a assinarem o Acordo de Parceria Transatlântica de Comercio e Investimento [1], que anda a ser negociado “por baixo da mesa” e que, a ir para a frente, irá soterrar de vez, a soberania dos estados europeus (e os EUA), sem que a esmagadora maioria dos OCS nacionais, tenha feito desta viagem a mais elementar cobertura jornalística.
 
Sem embargo, partem dois ou três carros com umas bugigangas – logo denominada de caravana – para oferecer aos refugiados/migrantes/emigrantes/etc., finalmente sustidos na Grécia (ou noutro ponto qualquer) e é um ver se te avias de notícias laudatórias.
 
Aqui deve fazer-se um parêntesis para dizer que as notícias devem ser apenas isso: noticias. Não têm, nem cabe aos jornalistas enquanto tal, adjectivá-las…
 
Por outro lado, a grande maioria das ocorrências – que são às centenas – de latrocínios, destruições, atentados à integridade física e moral de pessoas, exigências ridículas e despropositadas e os milhentos problemas e custos, causados por esta vaga de migração descontrolada - que está a fazer com que as populações dos países “assaltados” estejam a ficar prisioneira e escrava no seu próprio território (ou o território agora, é comum a todos?) - são omissas em 95% dos “média” nacionais!
 
E quando alguns ditos refugiados – pois só conhecem de Portugal, alguns dos seus futebolistas – sendo inquiridos, não desejam vir para cá, é o próprio Presidente da República que se amofina com isso e quer é que eles venham…
 
Pergunta-se (os exemplos podiam continuar “ad nauseum”): se isto não representa a mais despudorada censura (incluindo a auto censura, que é a pior de todas) é o quê?
 
Se tal não se enquadra na mais inacreditável manipulação, enquadra-se em quê?
 
Se o que pela rama se descreveu, não configura a maior falta de respeito pela liberdade de informação e de expressão, configura o quê, santo Deus?
 
Deus, eu disse Deus?
 
Será por isso que Sua Santidade o Papa levou refugiados muçulmanos (e, aparentemente, só esses) para o Vaticano?
 
Será que acampam na Capela Sistina ou irão construir uma mesquita (com minarete e tudo) para os albergar?
 
Será que a Santa Sé também irá pagar a transladação dos mártires cristãos, que andam a ser dizimados um pouco por todo o mundo maioritariamente muçulmano, só por o serem, para o local onde Pedro fundou a Igreja?
 
O prémio Carlos Magno 2016, entregue anualmente na cidade de Aachen, foi atribuído a Sua Santidade. Felizmente que o Chefe Espiritual dos Católicos, apesar de o ter aceitado, não se deslocará àquela cidade alemã, sendo o prémio entregue em Roma.
 
Porventura não haverá ninguém em toda a Santa Madre Igreja, que possa alertar o Sumo Pontífice para o significado e envolventes, de tal distinção?
 
O mundo foi sempre um local perigoso. Convinha não andarmos confundidos.

                                          

[1] Conhecido pela sigla inglesa TTIP – “Transatlantic Trade and Investment Partnership”

2 comentários:

Ricardo Amaral disse...

(ou o território agora, é comum a todos?).O "sonho" da Igreja de Roma foi esse mesmo(pelo menos até 1789)em termos de Planeta(e nós tugas sabemos bem o papel que tiveram nisso nossos antepassados).Curioso e estranho agora andar o bispo de Roma a promover a "invasão" de muçulmanos para a Europa tal como os "agentes" da globalização liberal-socialista/liberal-capitalista(claro que sempre em nome dos direitos e do humanismo cristão no caso do papa),a não ser claro que o sr Bergoglio pense que o Papa católico de Roma ainda possa ser o "rei-papa do mundo" junto com a plutocracia globalista.

Anónimo disse...

E vamos a ver senão será também(o papa de Roma)brindado com o prémio "Kalergi".------------------------------Afonso Manuel