domingo, 6 de julho de 2014

A VISITA DE FILIPE VI

“Olivença é terra portuguesa”
Uma evidência!

Não deixa de ser significativo que Portugal seja o primeiro país que o novo Rei de Espanha visita, oficialmente, após a sua coroação.

Mesmo tendo em conta que o convite tenha partido do Presidente Português.

O significado é, sobretudo, político e estratégico.

Tudo deve ser seguido e analisado com a máxima atenção.

Lamentavelmente, “Sua Muito Católica Majestade” [1] não vai ser recebido por ninguém de estirpe real, alguém de sua igualha, com o titulo de “Majestade Fidelíssima”, [2] mas pelo republicaníssimo Professor Cavaco Silva – o qual, obviamente, não usa o titulo, que passou naturalmente para a Nação Portuguesa, quando a Monarquia caiu sem lustre nem glória, no arrepiante dia 5 de Outubro de 1910. 

Filipe será bem recebido como representante de um país que estimamos seja nosso amigo e bom vizinho, mas que deve ter sempre presente que será repudiado no dia em que além de ser Filipe VI de Espanha, se engane na numeração romana e intente ser, também, IV de Portugal.

É certo que a Monarquia Espanhola foi visitar primeiro Sua Santidade o Papa, o que é lógico, não só porque para além de uma visita de Estado, tem um carácter espiritual. Mais a mais o Papa é falante natural do castelhano…

Mas para nós portugueses, tal facto não deixa de se dever ter em conta, face à luta que os dois reinos travaram pelo favor Papal, ao longo dos séculos.

 Recorda-se, só para ilustrar, que a Santa Sé levou 51 anos a reconhecer “de jure” a independência de Portugal e tornou, mais tarde, a não ter pressas em reconhecer a Restauração/Aclamação de 1640, o que só ocorreu em 1670, passando já dois anos da assinatura do Tratado de Paz entre as duas coroas.

Para já não falar, entre muitas outras coisas, nos 600 anos que Roma levou a canonizar D. Nuno Álvares Pereira, a que não é seguramente alheia a diplomacia de Madrid.

Filipe VI não perdeu, aliás, tempo e logo convidou Francisco a visitar Espanha, em 2015, a propósito do 500º aniversário do nascimento de Santa Teresa de Ávila.

Depois de Portugal segue-se Marrocos, onde será recebido pelo Rei Mohamed VI, o “Comandante dos Crentes”, da dinastia Alauita, que teve início em 1664 – embora a Monarquia marroquina remonte ao ano de 788 – cuja lema é “Deus, Pátria, Rei”.

Com Marrocos as relações da Espanha são tensas, não só por um historial antigo de disputas, algumas ainda não resolvidas - como é o caso de cidades, enclaves e ilhotas, sobre soberania espanhola, que Rabat reivindica – mas também por problemas sobre direito marítimo e a magna questão da emigração.

Estas relações contrastam com as que Portugal mantém com Marrocos, que se podem considerar exemplares desde a assinatura do Tratado de Paz de 1774, apenas toldadas pelo apoio – apesar de tudo moderado – que aquele país prestou aos movimentos de guerrilha que combateram a presença portuguesa no Ultramar entre 1961-1974.

O périplo termina em França – numa prioridade nitidamente regional – país com quem a Espanha sempre manteve uma relação de desconfiança, mesmo nos períodos de alternância entre serem aliados ou inimigos, que os caracteriza e que atingiu o rubro nas contendas entre a Casa dos Bourbons e dos Habsburgos.

Já não reina em França “Sua Majestade Cristianíssima” [3] que, não raras vezes, não teve escrúpulos em se aliar aos inimigos da Fé Cristã, já de si fortemente abalada pela “Reforma” e quase subvertida pela Revolução Jacobina de 1789.

E sempre que a França se alia à Espanha contra as potências marítimas, Portugal viu sempre a sua independência em perigo.

Aliás, quando Filipe VI atravessar a fronteira sabe que deixa atrás de si um confortável poderio militar, ilustrado pelos 347 carros de Combate “Leopardo” e 103 “Centauro”;368 “Pizarro” (ligeiros); 31 helicópteros de ataque “Tigre”, 37 “NH90”, 37 “Cougar” e 18 “Chinook”; 102 peças autopropulsionadas de 155 m/m, M 109 e 184 viaturas ligeiras de transporte de tropas “RH41”, 396 “Lince” e 1600 “URO”. Tudo material moderno e letal; só para referir isto, que pertence ao Exército. Nem vale a pena falar nos outros Ramos…

Por seu lado o Ducado de Alba continua a ser a casa nobre mais poderosa de Espanha…

Convinha não esquecer estas coisas.[4]

É curioso como o filho daquele que foi o mais “português” Rei de Espanha – sê-lo-ia, porventura, no coração, porém, não na razão – deixou os “filhos” da Espanha para outras núpcias.

Estamos a referir-nos a todos os países que os espanhóis colonizaram, sobretudo nas Américas, cujas bandeiras emolduram uma sala no notável Mosteiro de La Rábida, perto de Huelva, o que constitui o símbolo da Hispanidade, cujo dia se comemora a 12 de Outubro. A data em que Cristóvão Colon chegou, oficialmente, ao Novo Mundo, afirmando que tinha chegado à Índia…

Cristóvão Colon que está muito ligado a La Rábida onde terá deixado o filho mais velho a ser educado e onde conferenciava com um sábio franciscano português, Frei António de Marchena, que por lá pontificava.

C. Colon que, estamos em crer, a coroa espanhola sempre conheceu como sendo um nobre navegador português, mas nunca quis que se soubesse…

Filipe VI vem pois, a Portugal, numa campanha de charme e também para marcar o seu terreno. Não só perante potências exteriores, mas outrossim, para o interior de Espanha, querendo significar que antes das autonomias e dos regionalismos, está a unidade da Espanha, se possível da Península Ibérica, que sendo uma realidade geográfica sempre quiseram fazê-la coincidir com uma única unidade política.

Serve ainda para descansar o polo geopolítico mais forte da Meseta, que é Castela, no sentido em que realça o facto de Portugal continua aqui ao lado e pode sempre constituir uma compensação para o caso de alguma das 17 comunidades autonómicas (mais duas cidades) fugir ao seu controlo.

Como dizia José de Carvalhal y Lencastre [5] “a perda de Portugal foi de puro-sangue e, por isso, o ministro espanhol que não pense constantemente na reunião, ou não obedece à lei ou não sabe do seu ofício”.

Parece que Filipe VI está bem preparado para o seu ofício e já jurou cumprir a Lei.

Por isso perceberá sem dificuldade um repto de exigência que daqui lhe lanço, pois não sou, nem nunca serei seu súbdito (embora lamente ser eu a fazê-lo e não as autoridades que me deviam representar): Influa em tudo o que estiver ao seu alcance para que o governo de Espanha devolva a cativa, mas portuguesíssima terra de Olivença e seu termo.

Tanto eu como V. Majestade sabemos que aquela terra não vos pertence.

Folgo que tenha uma boa estadia, mas compreenderá que enquanto este assunto não estiver resolvido, eu não lhe possa desejar as boas vindas.

                                                               João J. Brandão Ferreira
                                                                  Oficial Piloto Aviador
                                                                    Português sofrido



[1] Titulo que começou por ser outorgado A Fernando e Isabel, (Reis Católicos) pelo Papa Alexandre VI
[2] Titulo atribuído aos Reis de Portugal, pelo Papa Bento XIV, em 23/12/1748.
[3] Titulo usado regularmente desde o Rei Carlos VI, por o Papado considerar a França, desde Clóvis I, a “filha mais velha da Igreja”.
[4] Não teria sido má ideia, “alguém” ter lembrado tudo isto, na última reunião do Conselho de Estado (ocorrida a 4/7/14), mas parece que andam preocupados com outras coisas.
[5] Ministro de Estado ao tempo do Rei Fernando IV, de Espanha.

4 comentários:

Zé Quintão disse...

Caro Adamastor:
tudo o que refere faz sentido e é perfeitamente legitimo e leal. Só percebendo o mosaico cultural que é na verdade Espanha, se pode perceber que afinal a nossa "irmã" não é assim tão coesa como parece. Casado com filha de galegos, pude perceber da parte de alguns galegos certo orgulho nos portugueses,por conservarem este Portugal independente dos seus algozes. O ditador Franco trataria durante sua governação de fazer baixar estes ímpetos nacionalistas e patrióticos na Galiza. A perda de Olivença e a sua posterior restituição por tratado aos portugueses, é algo que mexerá na consciência de cada português que ainda sinta vibrar no seu peito a nacionalidade. Os ventos da globalização que parecem vergar as culturas, os valores em prol da selvajaria económica, será que não alterou também as mentes dos habitantes de Olivença? Com legitimidade poderíamos querer Olivença de volta, mas não lhes deveríamos perguntar se o desejariam?

Anónimo disse...

A propósito deste seu texto, que é duma grande claridade para quem queira pensar permita-me, Sr. Tenente Coronel Brandão Ferreira que levante aqui uma pergunta que há algum tempo me ocorre fazer:
Veneram os actuais cristãos espanhóis todos os Santos que a Santa Madre Igreja Católica Apostólica Romana consagrou ainda não há muito tempo?
Refiro-me a um em especial: São Nuno de Santa Maria.
Haverá imagens deste Santo nos Altares de Castela?
Rezam-lhe com fervor, os crentes católicos espanhóis, para que São Nuno de Santa Maria interceda favoravelmente e que os ajude nas suas aflições terrenas?
Confesso que me tem intrigado como é que o meio eclesiástico espanhol lidou e lida com este assunto.
Meus cumprimentos
Manuel A.

TC disse...

Caro Ten. Cor. Brandão Ferreira:

deixe-me, em primeiro lugar, felicitá-lo por ser o Português que transparece nas suas palavras.
Em segundo, peço desculpa pelo desfasamento temporal deste comentário, mas isto deveu-se ao facto de só ontem ter tomado conhecimento do seu "blog", através de uma ligação no "facebook".
Em terceiro, permita congratulá-lo pela resenha histórica com que aqui nos brindou e que nos dá uma perspectiva mais clara do actual momento histórico (e diplomático) que vivem os (dois principais) Estados peninsulares.

Acrescento, aliás, que concordo com praticamente toda a sua exposição - apenas "limaria" algumas arestas: é que, em questões de política externa, há que usar e abusar de toda a cautela!

Assim, embora compreenda perfeitamente (e partilhe inclusivamente) as suas preocupações com o poderio militar de Espanha, é preciso não esquecermos:
a) que são nossos aliados/parceiros, quer em sede da NATO/OTAN, quer da UE ou mesmo das Nações Unidas e outras organizações internacionais quejandas;
b) que isso não nos deve, obviamente, impedir de equacionar, como NAÇÃO SOBERANA que somos (e, julgo, almejamos continuar a ser), todos os cenários políticos, militares, jurídicos e diplomáticos que possamos vislumbrar num horizonte temporal de médio/longo prazo;
c) que, tal como esgrimiu na sua argumentação, o actual Estado Espanhol é "um gigante com pés de barro" - constituído por um conjunto (disforme) de povos, com línguas e até culturas diversas - em que o grande (talvez o único!) elo de ligação parece ser precisamente a Coroa (embora na posse de uma dinastia de origem estrangeira); para além da Igreja Católica (e, até, de um certo carácter mais temperamental e propenso ao confronto directo do que nós, portugueses).

Deste modo, resta-nos aguardar (provavelmente algumas décadas) até que:
1) o regime político mude - deste ou do outro lado da fronteira (o que não é totalmente despiciendo, face aos actuais clamores de mudança em relação às instituições ligadas aos Estados);
2) o Estado Espanhol, tal como existe ao momento, imploda e dê lugar a outras entidades políticas mais conformes com a diversidade policromática da Península Ibérica;
3) o Estado Português ganhe relevo e preponderância, de alguma outra forma que desconheço (ou talvez impulsionado por alguma das supra mencionadas), e finalmente isso possa acalentar uma tomada de posição mais firme face à Questão de Olivença (à semelhança do que faz a própria diplomacia espanhola no que concerne à reivindicação que mantém sobre "o Rochedo" de Gibraltar - por ora Colónia de Sua Magestade Britânica; e, ainda que com menos legitimidade histórica, a diplomacia dos nossos alauitas vizinhos do Sul sobre esses pedaços dispersos de território que Espanha mantém naquele lado do Mediterrâneo - o que deveria reforçar a posição portuguesa de que o Direito Internacional e o(s) vínculo(s) histórico(s), político(s) e jurídico(s) deve(m) prevalecer sobre reivindicações de outra ordem - seja ela geográfica, estratégica/militar, económica, psico-social, cultural ou até mesmo sobre critérios "democráticos" - embora estes aspectos possam influir, justamente, em diferendos desta ordem). Mas confesso que este último ponto será sempre o mais difícil de concretizar - já que exige ACÇÃO/REACÇÃO diplomática do Estado Português - e sabemos bem como isso é mais difícil do que fazer mover as placas tectónicas entre continentes!

E com estas últimas apreciações termino, desculpando-me, desde já, pelo tamanho deste comentário...


S/ mais de momento, despeço-me
Atenciosamente:
Tiago Coelho.

TC disse...

Caro Ten. Cor. Brandão Ferreira:

deixe-me, em primeiro lugar, felicitá-lo por ser o Português que transparece nas suas palavras.
Em segundo, peço desculpa pelo desfasamento temporal deste comentário, mas isto deveu-se ao facto de só ontem ter tomado conhecimento do seu "blog", através de uma ligação no "facebook".
Em terceiro, permita congratulá-lo pela resenha histórica com que aqui nos brindou e que nos dá uma perspectiva mais clara do actual momento histórico (e diplomático) que vivem os (dois principais) Estados peninsulares.

Acrescento, aliás, que concordo com praticamente toda a sua exposição - apenas "limaria" algumas arestas: é que, em questões de política externa, há que usar e abusar de toda a cautela!

Assim, embora compreenda perfeitamente (e partilhe inclusivamente) as suas preocupações com o poderio militar de Espanha, é preciso não esquecermos:
a) que são nossos aliados/parceiros, quer em sede da NATO/OTAN, quer da UE ou mesmo das Nações Unidas e outras organizações internacionais quejandas;
b) que isso não nos deve, obviamente, impedir de equacionar, como NAÇÃO SOBERANA que somos (e, julgo, almejamos continuar a ser), todos os cenários políticos, militares, jurídicos e diplomáticos que possamos vislumbrar num horizonte temporal de médio/longo prazo;
c) que, tal como esgrimiu na sua argumentação, o actual Estado Espanhol é "um gigante com pés de barro" - constituído por um conjunto (disforme) de povos, com línguas e até culturas diversas - em que o grande (talvez o único!) elo de ligação parece ser precisamente a Coroa (embora na posse de uma dinastia de origem estrangeira); para além da Igreja Católica (e, até, de um certo carácter mais temperamental e propenso ao confronto directo do que nós, portugueses).

Deste modo, resta-nos aguardar (provavelmente algumas décadas) até que:
1) o regime político mude - deste ou do outro lado da fronteira (o que não é totalmente despiciendo, face aos actuais clamores de mudança em relação às instituições ligadas aos Estados);
2) o Estado Espanhol, tal como existe ao momento, imploda e dê lugar a outras entidades políticas mais conformes com a diversidade policromática da Península Ibérica;
3) o Estado Português ganhe relevo e preponderância, de alguma outra forma que desconheço (ou talvez impulsionado por alguma das supra mencionadas), e finalmente isso possa acalentar uma tomada de posição mais firme face à Questão de Olivença (à semelhança do que faz a própria diplomacia espanhola no que concerne à reivindicação que mantém sobre "o Rochedo" de Gibraltar - por ora Colónia de Sua Magestade Britânica; e, ainda que com menos legitimidade histórica, a diplomacia dos nossos alauitas vizinhos do Sul sobre esses pedaços dispersos de território que Espanha mantém naquele lado do Mediterrâneo - o que deveria reforçar a posição portuguesa de que o Direito Internacional e o(s) vínculo(s) histórico(s), político(s) e jurídico(s) deve(m) prevalecer sobre reivindicações de outra ordem - seja ela geográfica, estratégica/militar, económica, psico-social, cultural ou até mesmo sobre critérios "democráticos" - embora estes aspectos possam influir, justamente, em diferendos desta ordem). Mas confesso que este último ponto será sempre o mais difícil de concretizar - já que exige ACÇÃO/REACÇÃO diplomática do Estado Português - e sabemos bem como isso é mais difícil do que fazer mover as placas tectónicas entre continentes!

E com estas últimas apreciações termino, desculpando-me, desde já, pelo tamanho deste comentário...


S/ mais de momento, despeço-me
Atenciosamente:
Tiago Coelho.