sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

MANUEL ALEGRE - A MINHA DEFESA

 

CLICAR AQUI PARA LER A MINHA DEFESA CONTRA A ACUSAÇÃO DE MANUEL ALEGRE

Abaixo seguem as datas das próximas audiências do julgamento:
Dia 22/1 - cancelada
27/1 - 14.30h
28/1 - 14.30h
29/1 - 09.30h
3/2  - 14.30h
4/2  - 14.30h

 

19 comentários:

Tiago Bastos disse...

Contra factos não há argumentos, o que o Sr. Tenente-Coronel disse há muito está documentado e escrito.

A sua defesa está muito bem conseguida, e os militares que o senhor arrolou como testemunhas serão mais que suficientes para deixar esse senhor envergonhado e sem saber onde se meter, basta o Folques.

Cordiais cumprimentos, os Portugueses estão consigo!

sergio disse...

BEM HAJA TEN COL, SE PRECISAR DE TESTEMUNHAS, SOU UM SOBREVIVENTE DE ATAQUES DA FRELIMO INCITADOS POR ESSE C. BOA SORTE, ABRAÇOS

luis barreiro disse...

Bem haja

JCAS disse...

... um outro comentário, desde 16Jan2014 no "Sol" online...

---«quote»---
Após 159 comentários, aparentemente poucos terão lido o título que a senhora jornalista, Helena Pereira, entendeu dar à "peça".
- «Julgado militar que acusou Alegre de 'traição à Pátria'».
Ora, o que está finalmente em juízo, em tribunal – e na praça pública –, de modo algum é um «militar que acusou Alegre de 'traição à Pátria'».
Em boa verdade, são as fundações desta III República.
Posto o que, o cidadão João José Brandão Ferreira, exerceu e exerce – galhardamente, apenas –, o seu direito, democrático, de opinar, de discordar, e de invectivar um dos próceres do regime.
Logo, decorrendo em tribunal tais sessões de (digamos) "esclarecimento", é natural o surgimento de uma vaga de fundo trazendo à tona inúmeras facções opinativas – neste e em outros foruns de internet –, que se extremam, algumas das quais histéricas, outras desvairadamente "ideológicas", infelizmente poucas demonstrando conhecimento do 'casus beli'.
O sr. Manuel Alegre de Melo Duarte, saiu – pela 2ª (e derradeira) vez –, derrotado nas suas pretensões em se servir de um acto eleitoral para, se não a "ida para Belém", ao menos manipular mais uma «campanha alegre», com laivos de agit-prop 'soixante-houitard', vir a ser acolhido pelas esquerdas portugesas como seu chefe.
Sucede que o sr. Melo Duarte, ficou (ainda tem) com que se defrontar ao pagamento de algumas dezenas de milhares de euros, após mais aquela falhada aventura.
Mas o que de valor apreciativo da causa possa interessar à execução da justiça, e das leis, actuais, como é bom de ver encontra-se desde há quatro décadas inquinado: como será possível uma juíza, após o ministério público ter acompanhado, quer objectiva quer subjectivamente, a acusação particular do "ofendido" Manuel Alegre de Melo Duarte, vir a decidir da ausência de fundamento, legal, que assistiu e assiste a João José Brandão Ferreira proferir, e em tal persistir, no seu entendimento de traição à Pátria por parte de indivíduo, nascido em Portugal e nunca renegado nem tendo renegado tal cidadania, o qual ao longo de praticamente uma década – início de Novembro de 1964 até início de Maio de 1974 –, haver conscientemente cometido actos objectivos de conluio e apoio a inimigos, teóricos e práticos, do seu País de origem.
Além do mais, o indivíduo (ainda) é "conselheiro de Estado"... !
Coragem, Brandão Ferreira. Daqui vai, mais um, abraço do João Carlos Abreu dos Santos.
16Jan2014 às 15:04
---«unquote»---

http://sol.sapo.pt/inicio/Politica/Interior.aspx?content_id=96884

Anónimo disse...

Muito bem, meu amigo.

Um abraço
Joaquim Mexia Alves

vitor madail disse...


Sr Tenente Coronel, faço votos que seu contributo, sirva para desmascarar certas "vacas sagradas" deste regime pretenso democrático em que vivemos. Bem haja.

Anónimo disse...

Meu Tenente Coronel,
Recordo a queixa que o meu Pai e mais um punhado de Portugueses
apresentaram, em 28 de Dezembro de 1979, na Policia Judiciária,
contra os responsáveis pela denominada ‘descolonização’.
A não ser que a traição do poeta-caçador, e de outros, seja
reconhecida pelos tribunais e pelos portugueses em geral, Portugal
não renascerá das cinzas a que o 25 de Abril o vem reduzindo.
Estou, naturalmente, consigo pelos nossos mortos e por Portugal.
Vasco Barroso Silvério Marques

Lura do Grilo disse...

Caro Tenente Coronel

Força ... pela Pátria portuguesa e pela dignidade de um povo grande mas refém de uns poucos.

atrida disse...

Em frente, sr. Tenente Coronel, os verdadeiros portugueses estão consigo e orgulhosos de si.

Guilherme M. Souto disse...

Ao mui digno Sr. Tenente Coronel J. J. Brandão Ferreira:

Tendo tomado conhecimento que se iniciavam as audiências do seu julgamento como arguido, por ter dito a verdade sobre o sr. Manuel Alegre, relacionada com a queixa que aquele senhor moveu contra o Sr. Ten. Coronel, por apenas ter dito a verdade e lhe ter chamado "traidor" e que serviu os interesses dos Países inimigos de Portugal e mesmo de alguns Países ditos amigos (....só se for da onça!), não podia deixar de o cumprimentar e louvar pela sua coragem, determinação, como verdadeiro militar e honesto cidadão.

Lamentando profundamente não estar presente em Lisboa, nas audiências, sentir-me-ia muito honrado em poder conhecê-lo e dar-lhe um abraço amigo sincero e de apoio, concordando e corroborando aquilo que diz.

Faço votos que a consciência dos juízes não os atraiçoe nem se acobardem e que o veredicto final seja a favor do Sr. Ten. Coronel.
Assim, sinto-me enaltecido em poder dirigir-lhe estas simples, mas amigas palavras.

O nosso primeiro Rei de Portugal, D. Afonso Henriques se ressuscitasse, julgaria os traidores à Pátria em tribunal sumário e passaria-os a todos a fio de espada.

Com os melhores cumprimentos,
Guilherme M. Souto

Alexandra M. Souto disse...

Caríssimo Sr. Tenente Coronel

Mais um dia, a luta continua e faço votos que a vitória seja sua!!!!!

Quero também deixar um abraço e o meu apreço a Rogéria Gillemans e ao filho do General Sivino Silvério Marques, Vasco Silvério Marques.

Melhores cpts,
Alexandra M. Souto (7ªgeração nascida em África - no meu caso Angola)

JCAS disse...

... "Vícios Provados".

---«quote»---
– «Há quem defenda, que as figuras públicas perdem o direito à intimidade quando expõem, por conveniência própria, a sua vida privada e familiar. A devassa seria um risco inerente às vantagens que retiram da exposição mediática. Ao apresentar as virtudes perante a comunicação social, abrem a porta ao conhecimento dos vícios privados.
[...] A fidelidade é um valor geral, tanto na esfera privada como no domínio político, e o eleitorado tem todo o interesse em a avaliar.
Na verdade, não é irrelevante para o eleitorado, conhecer as qualidades pessoais daquele em quem vota, e as qualidades políticas não são um aspecto destacável das restantes qualidades pessoais. Cada pessoa é um todo e, muitas vezes, os traços de personalidade menos virtuosos, detectáveis, em primeira instância, na vida privada, repercutem-se na vida pública.
[...] Não terão os eleitores, perantes certas manifestações de hipocrisia, direito a indagar a autenticidade dos políticos?
É a fronteira ténue entre o "vício privado" e a "pública virtude", que os 'media' têm o direito de atravessar. Não por curiosidade lúbrica, mas para ajudar a opinião pública a reconhecer, a mais importante virtude política: a autenticidade.»¹
¹ (Fernanda Palma, professora catedrática de Direito Penal; in "Vícios Privados"; CM-26Jan2014)
---«unquote»---

Manuel Gonçalves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Manuel Gonçalves disse...

Estimado TCor Brandão Ferreira, a minha solidariedade é total e sei que a razão está do seu/nosso lado. Faço votos para que o trigo seja separado do joio.
Saudações para-quedistas,
Manuel Gonçalves

Lucena Pinto disse...

Caro amigo Tenente- Coronel Brandão Ferreira. "Se fosse fácil, estaria outro no seu lugar"
Um abraço deste Fuzo que bem conhece.
Lucena Pinto

Ana Rocha disse...

mais uma vez não consegui despachar-me a tempo de ir assistir à audiência. e como tal não sei as datas que foram agendadas hoje. agradecia essa informação. atenciosamente
Ana Paula Rocha

afag43 disse...

Caro Brandão Ferreira
Não és tu que estás a ser julgado, mas o teu acusador que mais não é do que a expressão acabado de um regime tortuoso e infiel em cujos governos pontificam desertores e relapsos ao serviço militar que nada mais fazem do que apoucar a Pátria, servindo os seus indignos interesses. Concordo plenamente com todos os comentários e em especial com os do JCAS.
Um amigo abraço do
António Feijó

JC Abreu dos Santos disse...

António Feijó, caro camarada-d'armas,

Grato pela sua ajustada apreciação, e público apoio ao nosso comum amigo Brandão Ferreira, cuja patriótica demanda é a de todos os Portugueses que se prezam de o continuar a ser.

Um abraço, do
Abreu dos Santos

Santos Oliveira disse...

Caro Ten Cor Brandão Ferreira

As "coisas" só são o que são porque a seriedade e a honra, deixou (há 40 anos) de ser comum á Formação dos Homens, arrastando aqueles que, anteriormente, eram mal Formados para um caminho sem Identidade: fazer parecer-se com quem não se é.
Perdido esse Valor, o politicamente correcto (???) beneficia (premeia) qualquer mau Serviço prestado á Pátria por indivíduos que tão mal fizeram aos seus concidadãos.
Num qualquer Estado de Direito, seguramente, seria dissecada idoneidade dos tais, pela "Assembleia da República", lugar que o cidadão comum já não dá crédito á Dignidade que lhe é devida.
Só de modo dúbio se concebe a nomeação do Conselheiro de Estado, em questão, com os direitos (sem deveres) que isso lhe dá.

Eu, e mais uns 190 indivíduos, fomos dados por mortos, pela voz do sr Alegre, durante dois longos dias, porque o BC619, o Agrupamento de Bolama e o Estado Maior acreditaram na notícia duma Ilha do Como completamente arrasada e sem sobreviventes. Este, um dos serviços a serem questionados: foram ao serviço de quem?

Foi difícil concluir-se que sobrevivemos a duas horas e vinte de inferno!...

O cabeçalho do Artigo "MANUEL ALEGRE “COMBATENTE”, POR QUEM?", daria direito uma investigação sobre Crimes de Lesa Pátria e Colaboracionismo.
...Mas isso só será possível numa outra Pátria, que não a nossa, com orgulho de ser chamada de Portugal.
Miguéis de Vasconcelos, Amigo, encontram-se a cada esquina.

Força e ânimo.

Abraços
Santos Oliveira