domingo, 7 de agosto de 2011

NA APRESENTAÇÃO DO ELMO DE D. SEBASTIÃO

Aqui está o produto final do Filme-Documentário acerca do ELMO, para apreciação e análise crítica.
Parte 1: http://www.youtube.com/watch?v=D3MiSjOBfKM
Parte 2: http://www.youtube.com/watch?v=PUFafc7susY
Parte 3: http://www.youtube.com/watch?v=PymMR9zVrqQ

No passado Domingo, dia 7 de Agosto, na quinta Wimmer de Rainer Daehnhardt foi apresentado o elmo de D. Sebastião.
Lá estive com o anfitrião e o Emb. Jorge Preto para fazer a apresentação com uma vasta assistência.
Fica a minha palestra intitulada;

A IMPORTÂNCIA DO REAPARECIMENTO DO ELMO DE D. SEBASTIÃO NA NOSSA GERAÇÃO
“Morrer sim, mas devagar”
D. Sebastião, em Alcácer Quibir


    Passou a ser recorrente, entre nós, atacar a figura do nosso rei D. Sebastião – nome único entre todos os nossos reis e também no mundo – que de “Desejado” por todos, como ficou para a História, passou a ser considerado, por muitos, como o símbolo do erro e da leviandade.

    Tudo porque arriscou uma partida difícil e perdeu uma batalha que quase esteve ganha. Acaso a tivesse ganho seria hoje um herói?

      Creio que aquela imagem começou a ser construída no século XIX, pela historiografia emergente da Convenção de Évora-Monte, quase toda ela Liberal e Maçónica, e que se prolongou pela I República, da qual também saiu ferido o infeliz rei D. João VI, cuja figura está a ser lenta e justamente recuperada.

    Não nos fica bem tratar, deste modo, o jovem Rei-Menino, que parece, afinal, ter morrido velho…


Em primeiro lugar porque a jornada de África, sendo discutível, não era desprovida de nexo estratégico. Não acreditamos que se tratasse de ocupar todo o Marrocos – para o que, sozinhos, nunca disporíamos de forças suficientes – mas sim jogar em apoios que permitissem deter o Império Otomano em rápida expansão nos Balcãs e no Norte de África, onde já tinham chegado a áreas argelinas – lembra-se que os Turcos só foram parados às portas de Viena em 1529 e, mais tarde, em 1683.

    Lembro ainda que a batalha de Lepanto, que quebrou a expansão naval turca, no Mediterrâneo, se dera, em 1571. O perigo não tinha findado, porém, recordando-se a acção dos Cavaleiros do Santo Sepulcro de Jerusalém, a partir da ilha de Malta (e a importância da ajuda nacional nesse âmbito), e a decisiva contribuição da esquadra portuguesa na vitória do Cabo Matapam, contra os Turcos, em 1707, 130 anos depois de Alcácer Quibir…

     Acresce a tudo isto o constante perigo que representava para a navegação cristã (e para as populações do litoral), a pirataria Berbere e também a “concorrência”espanhola, que cada vez intervinha mais no litoral norte africano, desde Carlos V, como são exemplos os ataques a Tunis e Argel, onde também participaram fortes esquadras portuguesas.

     No Reino também se assistiu a uma mudança de política, relativamente à ideia de abandono de praças em Marrocos, posta em prática no reinado de D. João III, sobretudo após as Cortes de 1562 e da extraordinária defesa ao formidável cerco que os Mouros puseram a Mazagão, nesse mesmo ano.

     A situação política em Marrocos era, outrossim, favorável: havia guerra civil e um dos principais contentores aceitou fazer uma aliança com Portugal.

    É certo que o monarca português cometeu erros, sendo o maior de todos, o de se colocar à testa do Exército sem ter assegurado descendência – embora tal se devesse, em muito, à pressão dos acontecimentos; não avaliou bem as intenções do seu tio Filipe II, de Espanha – que o traiu – e, durante a batalha foi mais um combatente voluntarioso em detrimento da acção de comando na direcção da contenda.

    Mesmo a critica de se ter afastado da costa perdendo assim a protecção da frota não colhe, já que o ataque a Larache, um dos principais objectivos da expedição, era muito difícil de fazer por mar, para o que se contava com os 50 navios e os 5000 homens prometidos por Filipe II, e que nunca vieram. Já o “timing” da expedição, no pino do verão marroquino, é menos sustentável, se bem que decorresse dos atrasos sucessivos a que a prontidão do Exército foi sujeita. Houve também dificuldades de recrutamento de tropas, sobretudo no Norte de Portugal, o que obrigou ao recurso de mercenários alemães, italianos e espanhóis o que tornou o Exército algo heterogéneo. A carriagem era, ainda, muito pesada tornando difíceis as deslocações.

    Sem embargo, Sebastião não nos desmereceu: começou por preparar a campanha com antecedência, para o que reformou toda a legislação militar, incluindo a primeira concepção moderna de serviço militar obrigatório; depois, combateu bem e com denodo; deu o exemplo, e pagou com a vida ou o desterro – e tudo indica que foi esta última hipótese que ocorreu – a sua audácia e crenças. Dele disse o grande Mouzinho, na sua esplêndida carta ao Príncipe D. Luís Filipe: “…mas a morte de valente, expiatória e heróica, redime os maiores erros. Bem merece ele o nome de soldado…”

    O desfecho da batalha pode não redimir totalmente a figura do jovem Rei, mas salvou para sempre a sua imagem. De tal modo que se entranhou no imaginário nacional, um peculiaríssimo estado de alma – à revelia de toda a racionalidade - e que só os portugueses entendem: o “sebastianismo”, essa saudade das glórias passadas, misturado com a esperança da redenção do porvir.

    Deve ainda ter-se em conta que não foi por D. Sebastião ter sido derrotado em Alcácer Quibir, que Filipe II se apoderou da coroa portuguesa – a nossa Marinha, por ex., ficou intacta: foi pelo caquectismo e pusilanimidade do velho Cardeal D. Henrique, e porque a maioria do alto clero e alta nobreza se deixou seduzir e corromper pelos ideais iberistas e pela prata de Sevilha! Uma lição de que nos deveríamos lembrar hoje, todos os dias…

    Em síntese, apesar da sua pouca idade em Alcácer – 24 anos – D. Sebastião não nos deixou ficar mal, não fugiu, não desertou do combate, não traiu. Deu o exemplo, pôs-se à frente das tropas, combateu com bravura, não desmereceu dos seus maiores, não envergonhou a nobreza, o clero e o povo. Sebastião agiu de boa mente e com boas intenções.

    Não era um “louco” ou um doente com deformações, como quiseram fazer crer. O seu reinado tinha sido um bom reinado: ocorreram um número elevado de vitórias militares, em três continentes; estabeleceram-se muitas medidas para o saneamento da economia e finanças e, até, da moral e dos costumes, e o próprio Rei se interessou pessoalmente pela administração da Justiça.

     Ao contrário do que também quiseram fazer crer, o jovem rei não era incapaz de conceber e não se opôs a casar-se. Opôs-se sim, a casar com quem lhe destinavam e, ou, nos moldes em que o propunham. Neste âmbito é necessário recordar toda a má política seguida por seu tio, o sempre presente Filipe II.

    O “Desejado” passou, desde o seu desaparecimento, a representar a esperança da redenção da Pátria, de tal modo que o povo se recusou sempre a acreditar, contra tudo e contra todos, na sua morte.

    A sua figura foi um pilar fundamental da resistência à usurpação filipina e inspiradora da Restauração da Independência; foi um sustentáculo da Fé e da coesão, foi a luz que nunca se extinguiu no fim da esperança. “Da Lusitana antiga liberdade…” no dizer de Camões.

    Configurou o mito da Fénix renascida, agregou vontades e deu um sentido para o futuro; ao mesmo tempo que ajudava a suportar os sacrifícios e as humilhações do longo calvário de 60 anos em que estivemos sujeitos a Madrid.

    D. Sebastião nunca morreu entre nós, esteve sempre presente na mente do povo e dos grandes portugueses, nas artes e na literatura. É um ícone do nosso imaginário!

    De facto, a acreditar no que D. Sebastião representa, é conseguir ultrapassar-nos a nós próprios.

   O elmo de combate, em boa hora recuperado, que hoje está entre nós, e que reúne muitos indícios que podem levar a concluir, sem rebuço, que é aquele que o nosso Rei usou na malograda batalha – e disso é mister fazer prova junto da comunidade académica e cientifica - é o que nos resta d’ Ele, é um símbolo d’ Ele, é uma imagem que podemos recriar d’ Ele.

    Hoje D. Sebastião, o seu espírito e o que ele representa, é-nos mais necessário do que nunca. Regressados às fronteiras do século XIII, se bem que enriquecidos com os Arquipélagos Atlânticos, poderíamos manter-nos uma pequena potência mas, em vez disso, deixámo-nos escorregar, por via de lideranças incompetentes e antipatrióticas – que nós temos tolerado - para um quase estado exíguo, que vive desmoralizado e de mão estendida.

    E não temos mais retaguarda estratégica…

    Três grandes perigos/ameaças impendem sobre o nosso país: o federalismo europeu, o iberismo – que aquele potencia em extremo – e, sobretudo, o desleixo nacional, o baixar das guardas, a perda de referências e de auto-estima.

    A União Europeia – recordo que nem o Conde Duque Olivares se atreveu a substituir-nos a moeda – só pode evoluir em três sentidos: ficar a patinar na situação cacofónica em que está, e nós com ela; fazer uma fuga para a frente e avançar de qualquer maneira na integração económica, social e política - e Portugal desaparece como Estado, primeiro, e com o passar do tempo, como Nação; ou implode, e cada um irá por si, estilhaçando-se em conflitos e egoísmos algo catastróficos. Qualquer dos cenários é mau e devemos preparar-nos rapidamente para fazer face a qualquer um desses cenários.

    O que passa, obviamente, por preparar o abandono desta organização internacionalista cujos fins são indefinidos. A Europa só nos interessa enquanto preservar a individualidade da Nação Portuguesa. Não menos do que isso. Qualquer outra solução representa o nosso epitáfio!

    Os perigos do Iberismo aumentaram exponencialmente pois todas as defesas que criámos ao longo dos tempos foram todas derrubadas desde a experiência funesta que iniciámos em 1986.

    O “fraco rei faz fraca a forte gente”, não é apenas uma frase lapidar camoniana, é uma verdade incontornável de todos os tempos. Vamos ter que ter grande coragem, liderança e perspicácia estratégica para conseguirmos sobreviver a tudo isto.

    Creio termos que regressar à matriz nacional e a acreditar no velho espírito da casa lusitana. Em síntese, reaportuguesar Portugal!

    Para isso nada melhor para nos inspirar do que a figura do Rei menino que quis a glória da terra que lhe deu o berço. O seu elmo de batalha aí está a significar a sua intemporalidade e transcendência. Ele nos fará correr mais rápido o sangue nas veias, de modo a que nos disponhamos a enfrentar quaisquer perigos.

    Com ele se levantará a altaneira “raça” portuguesa e não haverá Adamastor que nos detenha.

    Uma nota final:
   D. Sebastião está, pois, vivo entre nós; o que ele representa está vivo, viva então em nós o “Desejado”!

     E se os seus restos mortais foram inumados em Limoges, como estudos recentes parecem atestar, e existindo forte possibilidade de se conhecer a urna em que estiveram depositados, então só nos resta pugnar, junto do governo francês, para que a dita urna e toda a memoralistica que se possa vir a identificar, regresse a Portugal.

      Devemos, então, enviar uma escolta de cadetes das Academias Militares, para o acto de tomada de posse, enviar tudo para o porto mais próximo e embarcar num navio da esquadra portuguesa, que faria o transporte para Portugal. A Cruz de Cristo, das asas dos caças da Força Aérea, será protecção segura após entrada em águas nacionais. O desembarque seria no Restelo, após salvar a artilharia; seguir-se-ia guarda de honra e “Te Deum” nos Jerónimos e festa em todo o país.

    D. Sebastião é um dos nossos maiores, deve regressar à Pátria. É um dever e uma dívida de todos nós.

     Viva o Desejado!

     Arraial, Arraial, por Portugal

12 comentários:

Lopo Albuquerque disse...

Foi uma tarde inesquecível.Uma verdadeira lição de História e de Patriotismo.Tive finalmente o prazer de o cumprimentar.Há um grupo enorme de amigos que querem agradecer-lhe a si, ao Sr Embaixador Dr Jorge Preto e Rainer Daehnhardt,por tudo quanto nos ensinaram e fizeram empolgar.Deixo aqui o meu enorme agradecimento aos três ilustres oradores.Cordiais cumprimentos.

Anónimo disse...

Sem dúvida alguma! Como falta capacidade aos nossos políticos para assumirem aquilo que Portugal teve e tem de bom. Aquilo que sendo de todos nós também é deles e por ignorância e falta de coragem não conseguem assumir e defender.
Abel Matos Santos

Gonçalo Ramos Ferreira disse...

Muita pena, por não ter estado presente.

Zé Quintão disse...

Só se valoriza o que se não tem...
Os portugueses ávidos de valores, precisam urgentemente de despertar da inércia e da baixa auto estima, programadas por "gentes", que parecem ter destruído em meia dúzia de anos, aquilo que um nobre povo construiu ao longo de 800.
A apresentação do elmo do "Rei-menino" permitiu que uma tarde de inspiração patriótica se fizesse sentir, comovendo e lembrando-me o que custou a Pátria aos nossos avós. Para A conservarmos, urge empreendermos, e olharmos os grandes exemplos dos homens que ainda temos, pois apesar de alguém nos iludir, a verdade é não há almoços grátis.

Anónimo disse...

Gostava muito de ter estado presente. Não consegui, mas em mim arde o grande amor pela nossa terra lusitana, Portugal.
Isaura frança

Abreu dos Santos (senior) disse...

- «.. a maioria do alto clero e alta nobreza se deixou seduzir e corromper pelos ideais iberistas».
O "internacionalismo", já vem de longe.

joaquim disse...

Obrigado, caro amigo, pela lição de Portugalidade.

Um abraço

Anónimo disse...

Palavras para quê? Bela lição de História introdutória, na apresentação do belíssimo Elmo do Rei-menino.Estes são exemplos marcantes dos sacrifícios que um Rei faz pela Pátria que ama como se ama uma Mãe.
O dia de nevoeiro profetizado por muitos, deu lugar a um dia de sol que nos trouxe a certeza de podermos dissipar as dúvidas seculares. Isto são valores Pátrios que nos aumentam a força e a fé de concretizarmos os nossos ideais, que já muito tardam e ocupando um Trono vazio há mais de 100 anos.

Edite Cecília Rodrigues

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
F. Alves disse...

Obrigado, Sr. Tenente-Coronel Brandão Ferreira pelas suas palavras justíssimas e rectas no seu discurso de Domingo, dia 7.

Melhores cumprimentos,

Filipe Alves

Rodrigo Ryder disse...

Caro amigo,

Como sabe não pude estar presente e por isso lhe agradeço ter colocado esta nota.

Um forte abraço,

Rodrigo

Tozé disse...

Muito interessante!
Muito obrigado, Sr. Cmte, Brandão Ferreira!

Os meus melhores cumprimentos.

António José Maya