terça-feira, 8 de janeiro de 2019

DATA ESPECIAL DA NAÇÃO PORTUGUESA: 8 DE DEZEMBRO


DATA ESPECIAL DA NAÇÃO PORTUGUESA: 8 DE DEZEMBRO
18/12/18

“Salve, Nobre Padroeira,
Do povo teu protegido,
Entre todos escolhido,
Para povo do Senhor.
Ó glória da nossa Terra,
Que tens salvado mil vezes!
Enquanto houver Portugueses,
Tu serás o seu amor!”

Padre Francisco Malhão

            Há datas que marcam a História dos povos.
            É o caso do 8 de Dezembro de 1646.
            Dia que, ao abrigo do artigo 3º da Concordata entre Portugal e a Santa Sé, de 2004, é uma festa de guarda e feriado nacional de âmbito religioso, que coincidiu até há pouco tempo (e devia ter continuado) como “Dia da Mãe”.
            Mas é muito mais do que isso.
            O Culto Mariano corre paredes-meias com a História de Portugal desde o seu início. Maria, Mãe de Jesus, sempre teve um lugar especial no coração dos portugueses e não tem paralelo com outros povos. Por isso, tem toda a propriedade chamar ao país da extrema ocidental da Europa, a Terra de Santa Maria. E não é por acaso que a maioria das mulheres portuguesas tem o termo “Maria” no seu nome. O que, infelizmente tem vindo a ser maculado por modismos espúrios de Cátias, Tatianas e Vanesas…
            Mas, também, qual a matriz cultural portuguesa que não tem vindo a ser maculada nas últimas quatro décadas?
            A festa da Imaculada Conceição foi inscrita no calendário litúrgico pelo Papa Sisto V, em 28 de Fevereiro de 1477.
            A Imaculada Conceição (concepção) da “Virgem” Maria foi solenemente definida como dogma pelo Papa Pio IX, através da Bula “Ineffabilis Deus”, em 8 de Dezembro de 1854.
            A Igreja considera que o Dogma é apoiado pela Bíblia, bem como pelos escritos de Padres da Igreja, como Irineu de Lyon e Ambrósio de Milão. [1]
            Em Portugal a devoção a Nossa Senhora da Conceição é muito antiga, sabendo-se que se rezou uma missa pontifical de acção de graças em honra da Imaculada Conceição, após a conquista de Lisboa aos mouros, em 1147.
            E, segundo a tradição secular, após a Batalha de Aljubarrota, o Condestável D. Nuno Álvares Pereira (São Nuno de Santa Maria), mandou construir a Igreja de Nossa Senhora do Castelo, em Vila Viçosa, consagrando o novo Templo a Nossa Senhora da Conceição, o primeiro construído em toda a Península Ibérica com este fim. Encomendou ainda, em Inglaterra, uma imagem em pedra da dita Senhora, para ser Venerada nessa igreja e onde ainda permanece. [2]
            O culto foi tomando raízes, com a fundação de muitas Irmandades, a mais antiga das quais é a da actual freguesia dos Anjos, em Lisboa, criada em 1589.
            Mas o facto verdadeiramente notável (creio que único no mundo), que veio a ocorrer, foi a decisão do Rei, Senhor D. João IV, após ter apresentado (e sido aprovado) nas Cortes Gerais de 1645/1646 ter, por provisão régia de 25 de Março deste último ano, proclamado solenemente que Nossa Senhora da Conceição seria a Rainha e Padroeira de Portugal e de todos os seus territórios ultramarinos.
            É mister recordar tal proclamação, que devia ser tida como estruturante da Nação Portuguesa e um dos nossos “segredos” de família: “… assentamos de tomar por padroeira de Nossos Reinos e Senhorios, a Santíssima Virgem, Nossa Senhora da Conceição, na forma dos Breves do Santo Padre Urbano 8º, obrigando-me a aceitar a confirmação da Santa Sé Apostólica e lhe ofereço em meu nome e do príncipe D. Theodósio, e de todos os meus descendentes, sucessores, reinos, senhorios e vassalos e Sua Santa Caza da Conceição esta em Vila Viçosa…”.
            Nesse mesmo dia 25 de Março de 1646, foi realizada uma sessão solene de juramento na Capela Real dos Paços da Ribeira, onde participaram o Rei, o Príncipe herdeiro, os grandes da Nobreza, os representantes do povo e os cinco bispos presentes.
            A Confirmação Papal levou, todavia, 25 anos a concretizar-se, devido a intrigas dos Reis Espanhóis, só vindo a acontecer em 1671, através de breve de Clemente X. Ou seja três anos após ter sido firmado o Tratado de Lisboa, de 1668, que punha termo a 28 longos anos de lutas e sacrifícios de todo o tipo, pela consolidação da nova Dinastia (herdeira ainda, de Nuno Álvares Pereira) e pelo fim da Coroa Dual Filipina, que restituía a Portugal, a sua total soberania debaixo de um Rei natural.
            As razões que levaram a esta atitude do monarca português não estão, ainda hoje, completamente dilucidadas e percebidas.
            A partir de então os reis portugueses nunca mais usaram Coroa e Ceptro permanecendo estes ao seu lado direito, em cima de uma almofada, em ocasiões solenes.
            Deste modo a Imaculada Conceição de Maria, vingou em Portugal muito antes de a Igreja a assumir como dogma de Fé.
            O Rei D. João V, em 1717, enviou uma circular à Universidade de Coimbra e a todos os prelados e colégios do Reino, recomendando-lhes a celebração anual da festa da Imaculada Conceição, nas suas Igrejas, em memória do juramento de D. João IV.
            Em 6 de Fevereiro de 1818 – dia da sua Aclamação, no Rio de Janeiro – o Rei D. João VI, instituiu a Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, em preito do país, por ter sobrevivido, como reino Independente, às guerras napoleónicas.
            O Rei era o grão-mestre desta nova ordem dinástica.
            A República extinguiu a Ordem, como Ordem Militar, mas D. Manuel II e seus descendentes vêm continuando a usar as insígnias da mesma, a qual continua em vigor, estando os seus membros sempre presentes na grande peregrinação anual que se realiza no dia 8 de Dezembro, ao Santuário de Vila Viçosa, também conhecido por “Solar da Padroeira”.
            Não foi este ano excepção, onde pude observar que a tradição está viva e recomenda-se.
            Muito povo nas ruas, nas janelas – onde em muitas ainda se observa o bonito costume de colocar as melhores colchas das famílias, nos varandins – e incorporados na procissão, que sai do Castelo, percorre várias artérias e o centro da vila e regressa à sua casa na igreja daquela vetusta fortaleza.
            Atitude respeitosa de todos.
            Quando a procissão passa pela grande praça que se abre para o Palácio dos Duques de Bragança, junta-se a ela uma coluna enorme de cavaleiros e charretes, com os seus trajes típicos portugueses, com os representantes da Cavalaria Portuguesa (neste caso do Regimento de Cavalaria 3 de Estremoz) que são oriundos de Olivença, terra cativa …
            Contei cerca de 200 cavaleiros e charretes.
            Enquadramento religioso a preceito, não se vislumbrando, porém, qualquer bispo, provavelmente por o Arcebispo de Évora (a que pertence Vila Viçosa) ter estado na missa celebrada nessa manhã.
            Eis a Peregrinação do 8 de Dezembro.
            Valor histórico a preservar, tradição a manter, cerimónia a valorizar, enquadramento cívico e significado político-religioso a difundir, explicar e interiorizar.
            A chave de tudo está na quadra do poeta Padre Malhão: “enquanto houver portugueses”…




                                                               João José Brandão Ferreira
                                                                  Oficial Piloto Aviador


[1] O Papa expressou-se nos seguintes termos: “Em honra da Santa e Indivisa Trindade, para decoro e ornamento da Virgem Mãe de Deus, para exaltação da fé católica, e para incremento da religião cristã, com a autoridade de Nosso Senhor Jesus Cristo, dos bem-aventurados apóstolos Pedro e Paulo, e com a nossa declaramos, pronunciamos e definimos a doutrina que sustenta que a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua Conceição, por singular graça e privilégio de Deus omnipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do género humano, foi preservada imune de toda a mancha de pecado original, essa doutrina foi revelada por Deus e, portanto, deve ser sólida e constantemente crida por todos os fiéis”.
[2] Devido a queixas relativamente ao seu peso e concomitante dificuldade em transportar a estátua, em andor, durante as procissões, o herdeiro da coroa, D. Duarte Pio de Bragança, mandou, recentemente fazer uma nova estátua idêntica mas de madeira, que é aquela que percorre agora, as ruas da Vila.

O BEN ESTÁ DE VOLTA …


O BEN ESTÁ DE VOLTA …

06JAN19


“Os lugares mais obscuros do inferno estão reservados para aqueles que se mantêm neutrais em tempos de crise moral!”

                       Dante Alighieri
                (“A Incógnita do Homem”)

            Este é o título do último filme cuja protagonista é a Júlia Robert, que nos presenteia com uma belíssima performance. Restantes actores acompanham com merecimento; argumento bom com uma história bem contada de uma intensidade dramática e suspense, sempre em crescendo, até ao minuto final.
            Saí chateado.
            O fulcro do argumento tem a ver com o tráfico de droga e os efeitos devastadores quer tem na sociedade e nas famílias. Retrata a realidade americana, mas ela é idêntica em qualquer parte do mundo.
            Fiquei chateado.
            No filme espelha-se com nitidez o “Bem e o Mal”, que coexistem entre nós e, apesar do filme ter um final (pontual) feliz, o “Mal” e os seus executantes e interpretes, não saem castigados.
            Saem molestados, é certo, pela crueza e realismo da narrativa, mas apenas indirectamente através da subjectividade de quem vê, e interpreta.
            É curto.
            Continuo chateado.
            Não deixa ainda de ser caricato que Hollywood, que nos presenteia com esta prenda de Natal e ano Novo (o argumento desenvolve-se á volta da quadra) seja, possivelmente, dos maiores antros de consumo de estupefacientes de todo o género, no mundo inteiro. [1]
            E que, ao longo do tempo e acompanhado pelas televisões, tenha contribuído pela acção deletéria como, por norma, tratam o tema, feito com que o tráfico e consumo da maldita droga tenha passado a ser encarada como fazendo parte da “normalidade” do quotidiano!
            Excepção para Singapura e agora, para as Filipinas. Abençoados!
            A chateação começa a passar a indignação.
            O Relativismo Moral e o estúpido do politicamente correcto tem amolecido políticos e população para tratarem os traficantes com panos quentes e os consumidores como doentinhos que precisam de ajuda, ou maltratados ou excluídos da sociedade. Daí à despenalização criminal, logo moral, do consumo, foi um passo.
             Mas o que se poderia esperar de uma classe de políticos eleitos que também, muitos deles, tinham sido consumidores?
            A seguir assiste-se com dinheiro do Estado (isto é dos nossos impostos), à manutenção do vício e fecha-se os olhos à entrada da “mercadoria” nas prisões…
            O ridículo (se não fosse trágico) atingiu paroxismos quando se compara o que se passa no mundo da droga, com as campanhas antitabágicas!
            Campanhas esdrúxulas para se passar a vender “drogas leves” no supermercado acentuam-se. É uma festa!
            Agora é a liberalização da cultura da cannabis, com a desculpa que tem efeitos medicinais. Mas então porque não se faz o mesmo com os opiáceos, usados para retirar a dor em doentes terminais?
            A revolta começa a instalar-se.
            Paralelamente, e como pano de fundo, movimentam-se somas enormes de dinheiro ilícito, com as suas lavandarias e “offshores”; “isolam-se” ou protegem-se “santuários” de produção - dos quais os mais conhecidos são o Afeganistão e a Colômbia – bem como negócios derivados do drama dos viciados, como são as clínicas de desintoxicação, etc.. É claro que esta última actividade é lícita e, porventura, necessária, mas só existe porque o problema passou a existir…
            Enfim, todo um negócio próspero, que aparentemente, não preocupa a UE, a ONU, as diferentes igrejas e religiões, a imprensa, os grandes paladinos dos Direitos Humanos, etc.
            Ou seja uma prova escabrosa da cobardia, hipocrisia e deserção, colectiva, que envergonha o género humano!
            E muitos “bem pensantes” ainda têm a lata, por vezes, de criticar quem usa métodos mais duros contra esta verdadeira peste negra dos tempos modernos.
            Pronto, agora estou mesmo danado.
            Quem é que me mandou ir ao cinema!



                                                          João José Brandão Ferreira
                                                               Oficial Piloto Aviador


[1] Excepção feita para a “Cracolândia” (de crack…) uma zona do centro da cidade de S. Paulo! Um autêntico “faroeste” da droga... Agora em tentativa de recuperação.

Conferência


domingo, 30 de dezembro de 2018

PACTO DAS MIGRAÇÕES



O INFAME PACTO DAS MIGRAÇÕES [1]

29/12/18
                            “Mouros em terra, Moradores às Armas!"
               Brado que ecoava em Portugal desde o tempo do Rei D. Afonso II.

            Da inacreditável Organização das Nações Unidas (unidas?!), mais conhecida por ONU, que nunca serviu para nada, a não ser para dar emprego a uma quantidade de gente que pauta a existência por fazer inutilidades e promover tudo o que é antinatural.
            A ONU existe porque sim. Porque desde há um ror de anos que tribos, etnias, povos, impérios, nações, dinastias, etc., que têm povoado a Terra tentam (isto é, alguns entre eles) encontrar um fórum, melhor dizendo, um directório, que imponha alguma ordem, na desordem política, guerreira e social em que a Humanidade tem vivido desde tempos imemoriais.
            Numa cronologia simples, a actual ONU veio suceder à incipiente e inoperante Sociedade das Nações, criada em 1919, que se arrastou entre as duas guerras mundiais. 
            Começou a ser gizada por Roosevelt e Churchill, em 1941, algures no meio do Atlântico Norte (porque será que a exacta localização continua a ser segredo de Estado?), e foi criada, em 25/3/1945, em S. Francisco, ainda antes de a guerra acabar. A sua Carta foi assinada por 51 países, em 26/6/1945, entrando em vigor, em 14/10 do mesmo ano.
            A assinatura da Carta visava, na altura, um pacto contra a Alemanha (ou qualquer outro país que durante a IIGM tivesse sido inimigo de um dos signatários da Carta), derrotada e destroçada, no fim da II Guerra Mundial.[2]
            Mais tarde, em 10/12/1948, a ONU veio a aceitar como bandeira, a Declaração Universal dos Direitos do Homem (DUDH), resquício maçónico da tenebrosa Revolução Francesa, exemplo acabado de Terrorismo de Estado, cujo modelo foi copiado e exacerbado, pela esquerda baixa, por todos os comunismos internacionalistas (tendo, por reacção, suscitado o “Fascismo” e o “Nazismo”).[3]
            E que a nossa I República quis ressuscitar em Portugal em forma de saudade serôdia incompetente.
            Nomes de ruas e estátuas dos próceres desta “tragédia sanguinolenta” como anteviu sabiamente o Eça, continuam a “povoar” as nossas cidades e vilas.
            As desgraças que causaram são, na pior das hipóteses considerados “danos colaterais” ou “custos da Democracia”…
            Ora a DUDH, que fez agora 70 anos, está muito aquém dos “10 Mandamentos da Lei de Deus” que, apesar de serem só 10, não se têm conseguido fazer cumprir na Terra, em mais de 3000 anos!...
            Além disso a DUDH – concedemos-lhe um bom propósito – está completamente desajustada no sentido em que não tem a acompanhá-la idêntica Declaração Universal dos Deveres do Homem (modernamente do género LGBT +- %...).
            Além disso não é vinculativa.
            Finalmente e parafraseando um célebre estadista não difícil de reconhecer, estas declarações pomposas, só valem “na medida em que são exequíveis, não na medida em que são decretadas”.[4]
             Mas é justamente um dos direitos consignados nessa mesma declaração, que me querem retirar: é o 15º, o direito a ter uma nacionalidade…
            A ONU tem sido, e é, um desperdício de tempo e dinheiro, pois nunca podia funcionar, refém que ficou das cinco potências com direito de veto, no Conselho de Segurança: a URSS, os EUA, a China, a Grã-Bretanha e a França. Exactamente os países que, primeiro, tinham construído a bomba atómica.
            Mais tarde, outros países também conseguiram o estatuto de “nucleares”, mas o “espaço” já estava tomado…
            Por isso nenhuma questão importante foi resolvida no seu âmbito (ONU), ou qualquer guerra evitada.
            Tudo se passava no campo bilateral/multilateral, e todos aqueles que conseguiram ter algum poder efectivo, estiveram-se nas tintas para as resoluções que os tentavam obrigar a algo que eles não queriam. O caso mais paradigmático é o de Israel.
            O outro foi Portugal, no período em que “sabíamos o que queríamos e para onde íamos”.
            O nosso País teve sempre, aliás, uma relação canhestra com esta “organização” em que só os bem - aventurados dos ingénuos (uma forma delicada de apelidar os ignorantes e os burros) podem acreditar.
            A União Soviética, ainda ressabiada pelo Estado Português ter contribuído decisivamente para a derrota do Comunismo na Península Ibérica, durante e a seguir, à Guerra Civil de Espanha, vetou a nossa entrada naquela casa de má reputação. O Governo Português que não tinha assinado a Carta da ONU e não tinha qualquer entusiasmo pela nova organização de “Direito Internacional”, não retirou o pedido de adesão nem o reiterou. Deixou o caso em “banho-maria”…
            Porém, estando a Guerra-Fria em plena ebulição, os EUA e a Grã-Bretanha vieram solicitar ao governo português para entrar para a Organização, a fim de reforçar o “mundo ocidental” contra o “bloco de leste”, num acordo que estava a ser negociado e onde entravam outros países. Tal ocorreu em 14/12/1955.[5]
            Pedido a que Lisboa anuiu, para logo se arrepender pois a “solidariedade ocidental” foi o que se viu, quando tivemos que enfrentar a má vizinhança da recém- criada União Indiana e a campanha de descolonização em curso.
            Foram anos de luta em que a diplomacia portuguesa se portou muito bem e respondeu taco a taco aos ataques de que fomos alvo, o que só terminou em 1974, ano em que desistimos de lutar pelos nossos interesses vitais, ao mesmo tempo que em vez de ficarmos contristados com a derrota – que aliás suscitámos - ainda ficámos contentes e dando razão ao inimigo. Um desvario colectivo que não tem paralelo, nem colhe exemplo, em toda a nossa História. E que nos cobriu e cobre, de opróbrio.
            Para a inutilidade da ONU não ficar tão patente, resolveu-se reproduzir os seus órgãos e agências, grupos de trabalho, secções,“you named it”, por cissiparidade, multiplicando a despesa, a confusão e os tachos. 
            Dir-se-á, que enquanto os governos falarem uns com os outros, não haverá guerras. Poderá um dia resultar, mas alguém acredita que estamos perto disso?
            Deve ser por tal desiderato que deixaram ir para lá o nosso Guterres, conhecido na gíria, por “picareta falante”, mas não passa disso. Puseram lá um ser com ar de “bonzinho”, o que só demonstra a nossa irrelevância política, ao contrário do que para aí muitos quiseram fazer crer, engalanando em arco.
            Algo que já tinha ocorrido com a nomeação do Professor Freitas do Amaral como Presidente da Assembleia - Geral, um cargo que só encontra paralelo na função reprodutora dos altos dignitários da Igreja que se portam segundo os ditames que juraram e não se envolvem nos tão propalados (e lamentáveis) actos de pedofilia.
            A Santa Sé (ou a Igreja no seu Magistério?), por sinal, parece estar muito em apoio deste malfadado “Pacto de Marraquexe”. Porque será?
            Bom, mas voltemos ao Pacto das Migrações. Pacto que deve merecer, desde já, a revolta de todos os “coletes amarelos” e de todas as outras cores.
            Como é possível que um acordo complexo como este, de âmbito tão lato e que toca a soberania e toda a ordem social e cultural das nações, seja negociado durante um ano (ao que se diz) e só se comece a ouvir falar dele, uns dias antes de ser assinado?
            E porquê em Marraquexe?
            Por que, em vez de terem assinado esta aberração, não fizeram um pacto para criminalizar e enclausurar quem anda a fomentar as migrações desregradas e as organizações mafiosas de tráfego humano?
            Concentremo-nos no caso português.
            Quem é que o governo português e restantes órgãos de soberania julgam representar ao tomar esta atitude? A atitude de tudo esconder, de não auscultar, de desinformar? Atitude do facto consumado?
            Sobretudo atitude de lesa-Pátria!
            O que faltará para se querer impor que cada família acolha e sustente um aliegena qualquer que bata à porta? Qual é a diferença?
            Ou andam (os políticos) armados em “chicos espertos” pensando que os migrantes não querem vir para cá? Enxerguem-se!
            Há na Constituição da República algum artigo que permita ou quiçá, aconselhe, um comportamento destes? Há algum programa de Partido, algo que sustente uma trapaça deste calibre?
            Pois não parece que haja!
            Esta atitude de prepotência e de brutal descaminho do interesse nacional deve merecer a revolta de todos os bons portugueses.
            E antevendo o protesto dos povos vêm com falinhas mansas, dizer que o pacto não é vinculativo e não põe em causa a soberania dos Estados?
            Mentirosos!
            Se não põe para que serve o Pacto? Não bastava deixar tudo como estava?
            O Pacto, assinado por cerca de 160 países, só se repercutirá efectivamente em 20 ou 30, que são os apelidados de “primeiro mundo”, nomeadamente os europeus pois são estes que recebem emigrantes/migrantes. É uma batota despudorada e pelos vistos não há um único político no país, que dê conta e a denuncie?
             Será que andamos a eleger grunhos, vendidos (vá-se lá saber a que ou a quem), distraídos?
            Mas alguém (migrante) quer ir para África, para a Ásia (tirando o Japão que tinha a coisa controlada) nem para a maioria dos países da América Latina, muito menos para os países comunistas ou de religião islâmica, que tratam os não crentes com tratam os cães?
            Mas será que esta gente, que anda a incentivar estas insanidades, é doida? Não, é simplesmente repulsiva, pois por falsos conceitos de humanidade querem acabar com as nações, com as fronteiras, amalgamar tudo.
            Visa-se sobretudo mestiçar todo o mundo, acabando com as raças, mas visando sobretudo a raça branca. Isto é de uma evidência que até dói!
            A ONU visa objectivamente (isto é quem a manipula) o Governo Mundial que contribuirá tendencialmente para ter um único povo (a Humanidade), uma só religião (?), uma moeda (e depois a ausência desta) uma só justiça, uma só polícia (presume-se que os exércitos acabarão por desnecessários…), etc..
            Esta gente é tarada e é perigosa.
            Os únicos que, à partida, estão a salvo desta hecatombe são os judeus, pois são o único povo que até hoje sobreviveu durante 2000 anos sem Estado e sem território, está protegido pela sua religião e pela sua tradição de descendência matriarcal (Israel não assinou o Pacto). Para além de dominarem grande parte da finança mundial.
            O Pacto agora assinado embora cerca de 30 nações não o tenham feito, tem dentes aguçados: prevê a propaganda da emigração; a equiparação de nacionalidade; o aconchego dos que chegam (quem vai pagar?); a criminalização dos que se opuserem e outros mimos. Ilustrem-se.
            Tudo muito democrático… Fdp!
            Isto representa um futuro esbulho para a Nação Portuguesa, um esbulho da sua nacionalidade, da sua matriz cultural, da sua terra, dos seus bens, da sua identidade e, finalmente, da sua individualidade, do seu futuro.
            Não admira que queiram desarmar a população, pois têm medo que esta possa ter qualquer veleidade de se opor a “filhas da putice” como esta.
            Quando Portugal na sua velha sabedoria e missão de séculos, foi construindo uma nação plurirracial e pluricontinental de matriz lusíada, que representava um exemplo para o mundo e não ameaçava ninguém, as principais potências do globo; outras invejosas da sua inferioridade, racistas, colonialistas, etc., e a porcaria da ONU, atacaram-nos sem dó nem piedade, e só descansaram quando nos esbulharam de todo o património ultramarino. E agora essa desgraçada, irresponsável e desacreditada organização, sita na ilha de Manhattan – cuja Wall Street (outra entidade que quer dominar o mundo…) foi fundada em parte por judeus portugueses que quiseram acompanhar os holandeses expulsos do Brasil no século XVII – que tem à frente um português desnaturado (“um peixinho vermelho em pia de água benta”, lembram-se?), quer inundar estes 92.000 Km2 com a ralé do globo, alegando causas e efeitos a que a “Terra de Santa Maria” é alheia, extinguindo-nos a prazo! [6]
            Só por cima do meu cadáver!
            O brado de “Mouros em Terra, moradores às armas”, nunca foi tão actual.
            Com a situação mais gravosa – que tresanda a 1580 – de que agora a “moirama” está infiltrada nos órgãos de soberania.
            Isto não é a feijões.




                                                      João José Brandão Ferreira
                                                            Oficial Piloto Aviador

(das mui antigas, nobres, por vezes gloriosas, mas quase – mesmo quase – extintas, Forças Armadas Portuguesas)
           
           


[1] Assinado em Marraquexe no pretérito dia 11 de Dezembro, pelo muito satisfeito, Governo Português.
[2] Mesmo quando a RFA e a RDA foram admitidas na ONU, em 1973, foram-no como membros de “não pleno direito”, o que não deixa de ser estranho dado a organização só contemplar dois tipos: “membro” e “observador”…
[3] Esta “declaração” foi aprovada com 48 votos favoráveis; nenhum contra e oito abstenções: Bielorrússia, Checoslováquia, Polónia, Ucrânia, URSS, Jugoslávia (todos satélites da URSS…), RAS e Arábia Saudita.
[4] O texto base da DUDH foi escrito pelo canadense John Peters Humphrey, na altura Director da Divisão de Direitos Humanos, dentro do Secretariado das Nações Unidas. Mais tarde um grupo de trabalho composto por membros de vários países que, supostamente constituíam uma amostra da comunidade internacional, chegou à versão final.
[5] Entraram quatro países “ocidentais”; quatro do “bloco de leste” e quatro “neutros”.
[6] Já não lhes bastava andarem a vender o país aos bocadinhos!...